Início » Notícias » Conhecida por ser uma das “cidades do agro”, Primavera do Leste também mantém o rock “nas veias”
Cultura & Entretenimento

Conhecida por ser uma das “cidades do agro”, Primavera do Leste também mantém o rock “nas veias”

Primavera do Leste é um ponto fora na curva na cena do Rock, mesmo comparado com outras cidades, isso se deve muito ao incentivo da gestão

O rock é festejado mundialmente no dia 13 de julho, mas em Primavera do Leste, o apoio e o incentivo ocorre o ano todo, por meio, da prefeitura Municipal e da Secretaria de Cultura, Turismo, Lazer e Juventude.

Muitas bandas de Primavera participaram em eventos e editais importantes dentro e fora da cidade, várias delas possuem ótimos álbuns autorais gravados e que ficaram conhecidos até mesmo fora de Mato Grosso, e novos grupos vem surgindo, o que mostra que o rock em Primavera tem uma importância grande para o público e para à cultura.

“A cena do Rock é pulsante há tempos. Décadas atrás já aconteciam festivais em chácaras, locais alternativos e residência de integrantes. E muitas pessoas se reuniam, de diferentes tribos e gostos dentro dos subgêneros do rock”, explica Tiago Strassburger, vocalista da banda Capitão Trovão.

O grupo surgiu com a proposta de levar o Rock n’ Roll para agradar não só ao público do rock. Com bom humor, a banda tem um vasto repertório e diversas referências em country music, cultura pop, clássicos do rock e flashback.

Rock de Botas é o nome de uma banda primaverense que surgiu através do encontro do agrônomo Otávio Rais, do publicitário Kim Torres, o luthier Diego Patrício e o baterista Danilo Munhoz. Essa mistura exemplifica bem como é possível culturas distintas existirem e coexistirem em Primavera do Leste.

O fato da cidade ter origem no agro agregou, pois os integrantes tem suas carreiras profissionais atreladas ao agro. “Ao contrário do que muitos pensam o cenário de rock no agro é muito forte”, diz o vocalista da banda.

Agro é pop; o rock também

Inicialmente a Brazuca Rockers, formada por Carlos Bombarda (bateria), Keven Beck (contrabaixo), Renan Soldera (guitarra) e Bryan Robert (vocal) teve receio, já que o sertanejo é o ritmo mais procurado na região, decidiram variar o repertório, partindo do pop rock, conquistar seu espaço e incentivar o gênero.

“Todos os ritmos tem espaço no município tão miscigenado e com uma cultura tão pujante”, diz Bryan. 

Para a banda de rock alternativo, Os Ultra Secretos, formada por Éder Orsolin (Vocal, guitarra, harmônica), Letícia Reis (bateria, ukulelê), Gabriel Giovani, o Giggio (baixo), a cena de rock em Primavera está crescendo cada vez mais, pois tem um grande público (inclusive de pessoas ligadas diretamente ao agro), as bandas e músicos do rock são muito solicitados para tocar em bares e eventos, e o público está cada vez mais adepto.

Fortalecendo a cena

Primavera do Leste é um ponto fora na curva na cena do Rock, mesmo comparado com outras cidades, isso se deve muito ao incentivo da gestão. Ano passado a cidade inaugurou a Praça Adão Donin, a Praça do Rock, onde hospeda o Circuito do Rock, todo último sábado de cada mês.

Bryan ressalta que a prefeitura tem sido uma base sólida para dar vitrine as bandas locais. Além do pôr do sol com MPB e o bailinho, o rock também tem um evento público e de graça para chamar de seu. “O circuito do Rock que já é tradição no município, dá oportunidade para quem está começando e aquele quem tem uma longa estrada na música, sem nenhum distinção”.

De acordo com Giggio, o apoio da prefeitura e da Secult foram fundamentais para o crescimento da cena do rock na cidade, pois antes quase não se tinha espaço para as bandas se apresentassem,  incentivo financeiro para investir em instrumentos, editais culturais e tempo de ensaio.

A continuidade do crescimento e fortalecimento da cena deu-se pelo Circuito do Rock, segundo Tiago. “Uma ação constante que incentiva não só a criação de novas bandas e espaço para as já veteranas, mas também a formação de um público cativo e cada vez mais numeroso. O poder público de Primavera acerta em ter eventos com gêneros mais populares, sem descartar os que têm menos espaço comercial no mercado, como o Rock e a MPB.”

.