Início » Notícias » Fogos de artifício: 5 dicas importantes para proteger os pets
Pets

Fogos de artifício: 5 dicas importantes para proteger os pets

Foto: Reprodução
Queima de fogos nas festas de fim de ano pode assustá-los e causar acidentes

Tradicionais nas festas de fim de ano e ainda que proibidas em diversas cidades, as queimas de fogos e rojão podem até ser um show à parte para humanos, mas para os pets, o estouro é quase que ensurdecedor. O som desses artefatos tem um nível que já é excessivo para nós, mas para os animais é ainda pior e podem causar mudanças no comportamento, como agressividade, agitação, salivação em excesso, postura encolhida, tremores, hiperatividade e até a fuga.

A médica veterinária Karina Mussolino, gerente do Centro Veterinário Seres, rede de saúde do Grupo Petz, explica que o estampido dos fogos pode lesionar o tímpano e levar a quadros mais sérios, como a perda total de audição. “Há outros riscos importantes, que precisam ser considerados, como a tentativa de fuga, atropelamento ou mesmo se machucar em portões e janelas”, comenta.

Em Criciúma, a lei nº 7.399 de 4 de fevereiro, de autoria da então vereadora Angela Mello, proíbe o manuseio, a utilização, a queima e a soltura de fogos de estampidos e de artifícios, assim como de quaisquer artefatos pirotécnicos de efeito sonoro ruidoso. O projeto foi desenvolvido pensando, principalmente, no dano humano causado com os fortes barulhos, mas claro, também significa um alívio aos pets quando cumprida pelas pessoas..

Para ajudar os tutores a aproveitar o momento ao lado dos melhores amigos, e em segurança, durante as festas, Karina Mussolino elenca cinco cuidados básicos e fundamentais para tranquilizar os pets. Confira:

Sozinhos não: estar perto dos bichinhos neste momento faz com que eles se sintam protegidos. Caso seja necessário deixá-los, a dica é espalhar pela casa alguma peça de roupa, toalha ou cobertor com o cheiro do tutor.

Ambiente seguro: ao sair, feche portas e janelas. Os felinos gostam de se esconder, para isso, o ideal é restringir o espaço colocando caixas que possam servir de abrigo a eles, principalmente em pontos altos da casa.

Ligue o som: tente ir acostumando os bichos aos barulhos dentro de casa. Vale ligar TV e música com volume alto; fazer sons que simulem estouro com frequência e, enquanto faz isso, procure interagir e desviar o foco dos pets.

Sem punições: esse é um momento de muito estresse para cães e gatos, portanto, nada de demonstrar indiferença ao comportamento deles. Ao invés disso, ofereça recompensas, carinho e fique sempre por perto.

Nada de medicamentos: evite medicar os pets sem orientação de um veterinário na tentativa de acalmá-los. Para gatos, os tutores podem espalhar feromônios pela casa; para cães, deixe ao alcance brinquedos interativos para mantê-los entretidos.

Por Engeplus
Tags

Sobre o autor

Edna Antonowiski

Adicionar comentário

Clique aqui para postar um comentário