Início » Notícias » Hamster filhote: conheça algumas curiosidades dessa fase
Pets

Hamster filhote: conheça algumas curiosidades dessa fase

Foto: Reprodução

Os cachorrinhos e os gatinhos perderam o reinado quando falamos de animais de estimação. Cada vez mais é possível encontrar iguanas, calopsitas, tartarugas e roedores, como os hamsters, nos lares. Se você está pensando em ter um hamster filhote, não deixe de ler este conteúdo!

Hamster farejando

Assim como outros animais, os hamsters possuem necessidades únicas, principalmente nos primeiros dias e meses de vida. Sabia que eles precisam de um cuidado extra com os dentes, por exemplo? Isso porque eles possuem quatro grandes dentes incisivos, que ajudam a roer as comidas.

Como os filhotes de hamster já nascem com a dentição completa, nessa fase, é responsabilidade do tutor trazer pequenos brinquedos para substituir os galhos encontrados na natureza, afinado os dois incisivos superiores e os dois inferiores.

Quer saber mais informações sobre hamster filhote? Neste conteúdo, explicamos algumas curiosidades interessantes sobre essa espécie, como os cuidados com a temperatura e a reprodução.

Quais são as espécies domesticáveis?

Assim como outros animaizinhos, há espécies mais domesticadas de hamster: Hamster Chinês, Roborovski, Sírio e Anão Russo. Porém, nos tópicos abaixo, vamos falar dessas duas últimas, já que as primeiras são proibidas no Brasil.

Hamster Sírio

Esta é a espécie mais encontrada nas casas dos brasileiros, mesmo que a origem tenha se dado na Síria e na Turquia, do outro lado do oceano — interessante, não é mesmo?

Inclusive, no habitat, é comum que esse hamster percorra 8 km sem parar, apesar do corpo pequeno, que pode chegar a medir 17 cm e pesar até 150 g. Não é estranho que as rodinhas sejam tão importantes.

Hamster em pé

Como essa espécie se reproduz rapidamente, estando matura com cinco meses de vida, é preciso ter um cuidado extra com a reprodução, caso haja um casal de hamsters em casa. Você sabe quantos filhotes de hamster nascem por vez? Durante uma gestação que dura duas semanas, de quatro a dez filhotes desenvolvem-se.

Além disso, a independência não tarda a chegar. Por isso, se estiver cuidando de um hamster filhote, aproveite muito este momento, já que ele vai acabar rapidamente: depois de oito ou dez semanas de vida, ele se separa da mãe.

Hamster Anão Russo

O hamster Anão Russo é outro animal companheiro. No Brasil, existem dois representantes dessa espécie: Phodopus campbelli e o Phodopus sungorus, diferentes em tamanho e cor, mas com a mesma criação.

Originados da Sibéria, esses hamsters tendem a ser inteligentes, rápidos e, como o nome sugere, de oito a dez centímetros menores que o Sírio. Além disso, eles são muito peludinhos e adoram uma rotina, principalmente nas rodinhas.

A gestação também é muito curta e surpreendente: dura apenas de 18 a 20 dias, gerando de 4 a 6 filhotes — impressionante, não é mesmo? Por isso, sempre tenha cuidado se tiver um casalzinho em casa.

Por que é importante ter um cuidado extra com a temperatura?

Existem diversos cuidados com hamster, porém um dos mais comuns é sobre a temperatura, algo que não ocorre somente no primeiro contato com o animal, mas durante toda a vida dele. 

Como os roedores são suscetíveis a doenças com mudanças bruscas de temperatura, é essencial mantê-los sempre frescos. Inclusive, se estiver pensando em mudar para uma cidade em que a temperatura não é parecida com a atual, lembre-se de que irá precisar de uma casinha de hamster com termostato.

Não estimule a reprodução dos hamsters

É claro que o hamster filhote é uma graça e arranca diversos suspiros, porém não é recomendado incentivar a procriação caseira. Afinal, você não saberá quantos filhotinhos haverá. Além disso, como a gestão é rápida, pode não haver nem o acompanhamento veterinário.

Ao contrário do que dizem por aí, os hamsters não precisam de companhia, já que são animais solitários e muito territorialistas. Assim, uma dica é evitar ter casais desses roedores.

Sabia que os filhotes podem ser comidos pela mãe?

Primeiro, é importante destacar que esse fenômeno é “natural”, por isso não fique horrorizado. Mesmo que não ocorra com frequência, é possível que aconteça com o seu companheirinho.

Os principais motivos que levam a mãe a fazer isso é a fragilidade dos bebês e o estresse, já que o macho pode deixar a fêmea estressada e nervosa, recorrendo ao canibalismo.

Outro ponto importante que pode levar a esse ato é quando a nova mamãe sente o território invadido e não detecta o cheiro dela nos filhotes. Isso ocorre, principalmente, se você, como tutor, pega os bichinhos com frequência, retirando o odor natural. Por isso, cuidado!

O ambiente é muito importante para o filhote

Agora que você já sabe de tudo isso, lembre-se que, por serem territorialistas desde pequenos, os hamsters precisam de um ambiente preparado para eles, incluindo substratos, casinhas, ração, vegetais de petiscos e rodinhas para exercício.

Dois filhotes de hamster em mão

Por Petz

Tags

Sobre o autor

Edna Antonowiski

Adicionar comentário

Clique aqui para postar um comentário